Convívio Fraterno

Nos passados dias 1, 2 e 3 de dezembro, um grupo de jovens reuniu-se para um encontro com Deus, um tal de “Convívio Fraterno”, o 1335, no Seminário Menor de Resende. Eu era uma dessas jovens, e como todos eles não sabia o que era este convívio e o que ele ia mudar em mim.

Hoje posso dizer que foi um dos mais bonitos fins-de-semana da minha vida, senão o mais bonito. Cheguei a medo, cheia de dúvidas que nem eu sabia que tinha, e, quando dei por mim, abri-Lhe a porta, Ele entrou, e eu fiquei a “rebentar pelas costuras” de felicidade.

AMOR: DEUS É AMOR. Dei amor, dei tanto amor, podem crer que recebi a dobrar! Senti-O em cada abraço, em cada olhar, em cada gesto, em cada palavra, Ele estava ali (está aqui).

Agora, no quarto dia (que vai ser o resto da minha vida), tenho a chama ainda muito viva, a “taça a transbordar”, estou a um ritmo diferente, em paz, feliz, com muito amor para dar. E sei que não estou sozinha nos desafios que a vida tem para mim: para além de Deus, tenho todos os irmãos que Ele me deu, que me ajudarão se a minha chama algum dia se fizer pequenina, a Família Conviva, a minha Mão de Deus, a materialização do Abraço de Deus.

E tu, meu irmão ou minha irmã, “atreve-te a viver por amor”. É próprio de Deus ser amor e é próprio do amor ser para dar. Dá amor, entrega a tua vida a Ele, confia, e descobre a felicidade.

Daniela Peixoto, in Voz de Lamego, ano 87/55, n.º 4441, 19 de dezembro de 2017